segunda-feira, 4 de junho de 2012

Capitulo IV

Espero que gostem, a musica chama-se Wish You Were Here e é da cantora Avril Lavigne. 




Capitulo ...
   Abby e Alexander já dormiam agarrados a Zac, porem ele ainda estava bem acordado, as atitudes de Vanessa eram exatamente o contrario daquilo que ele tinha ouvido falar, onde estava a mulher arrogante e sem coração que lhe descreveram? Onde esta a mulher que não se importa com nada nem ninguém parlem dela mesma? Onde esta a mulher forte? Onde?! Zac não via nada disso, ele apenas via uma mulher independente e sem papas na língua mas ainda assim ingênua e delicada. Ela não parecia apresentar qualquer tipo de perigo mas mais vale prevenir do que remediar, amanha ela sairia daquela casa e tudo voltará a ser o que era, pelo menos quase tudo.
   Era cedo quando Vanessa acordou com os primeiros raios de sol que lhe tocaram no rosto moreno e angelical, olhou o relógio, eram apenas seis da manha, Zac disse que saía de casa as nove com os filhos, era a hora certa para se levantar e sair daquela casa sem ser vista. Tomou um banho fez o resto  da sua higiene e vestiu a roupa que tinha escolhido, umas calças de ganga pretas justas, uma camisa branca e com os botões em dourado por dentro das calças, umas botas de cano alto pretas de pele e um blazer também preto, o cabelo estava solto e cheio das suas ondas naturais, a maquilhagem estava leve e discreta, ninguém diria que a Vanessa Anne que saiu da prisão á alguns pares de horas era aquela mulher que agora via o seu reflexo no espelho e se achava estranha. Saiu do quarto com todos os seus pertences, bateu a porta devagar e quando ja estava próxima das escadas, pronta para descer e abandonar aquela casa teve de voltar atrás, não conseguia sair daquela casa sem ver, por uma ultima vez, as duas crianças que salvou, as duas crianças mais meigas e belas que alguma vez viu. A porta do quarto de Abby ainda estava entreaberta, exactamente do modo como Vanessa a deixou na noite passada, foi entrando no quarto sorrateiramente, com todo o cuidado para não acordar ninguém, olhou aquelas três pessoas que eram a família de sonho de qualquer mulher, dois filhos lindos e serenos, com os olhos azuis e com os cabelos loiros bagunçados, assim como os do pai, dormiam que nem tres anjinhos abraçados, Abby e Alexander com a cabecinha deitada no peito do pai enquanto o mesmo os abraçava, uma bela cena, Vanessa nunca mais se iria esquecer. Beijou a bochecha fofinha de Abby e o cabelinho loiro de Alexander, iria sentir saudades daquelas crianças, mesmo tendo apenas as conhecido á algumas horas ja gostava delas, gostava muito.
   Olhou para Zac, ele dormia tranquilamente, quem dera que ele estivesse sempre assim, calmo e sereno, as coisas seriam tão mais simples. Num acto não pensado beijou a testa de Zac admirando-se em seguida com o acto, porque tinha feito aquilo? Porque é que queria que aquela fosse a sua família, que aqueles fossem os seus filhos? Porquê?! Porque é que depois de ter beijado a testa de Zac desejou que ele fosse o seu homem? Porque desejou acordar todos os dias ao lado dele, porque desejou sentir em todas as manhas de inverno os braços dele rodearem o seu pequeno corpo aquecendo-a? Porquê? Porque é que queria sentir os lábios carnudos de Zac beijarem os seus, porque é que queria sentir o corpo quente dele próximo do seu? Porque é que queria o cheiro dele pegado ao seu corpo? Porquê?? Porque é que o sentia cada vez mais próximo ao seu coração? Não, não podia, ela simplesmente não podia estar apaixonar-se por Zac, ele simbolizava um punhal afiado que estava cada vez mais perto do frágil coração de Vanessa. 
   Como seria aquilo possível? Zac tratava-a mal, abaixo de cão, achava-a uma vadia e não se importava que as palavras que ele proferisse a ferissem. Como poderia gostar de uma pessoa assim?
   Assustou-se quando ouviu um suspiro sair da boquinha de Alexander, tentou sair do quarto o mais rápido possível, mas quando tocou na maçaneta da porta ouviu uma voz sonolenta chamar por si.
Vanessa : volta dormir meu amor, ainda é cedo. -disse dando um beijo na bochecha de Alexander-
Alexander : onde vais? -perguntou com os olhinhos meio abertos meio fechados- deita aqui coigo(comigo) com o papa e com a mana, deita! -disse com a cabecinha tombada para o lado-
Vanessa : eu não posso meu amor. -disse de joelhos ao pé de Alexander- eu tenho de ir trabalhar.
Alexander : só um cainho(bocadinho). -disse ao tocar no rosto de Vanessa- eu goto uito(muito) de ti. -disse a sorrir- deita. -completamente entregue e derretida com as palavras de Alexander Vanessa não resistiu, tirou as botas com cuidado para não fazer barulho, pousou o casaco na beira da cama e deitou-se ao lado de Alexander, quando o corpo de Vanessa estava totalmente na cama Alexander subiu para cima de Vanessa, abraçou o seu pescoço e deitou a cabeça entre os seios dela, soltou um suspiro gostoso e adormeceu rápido-
Vanessa deixou-se ficar durante mais alguns minutos ali, deitada, ao lado de Zac, ele era tão quente. Nao se estavam a tocar mas Vanessa podia sentir a temperatura do seu corpo. Quando teve a certeza de que Alexander dormia tranquilamente levantou-se, aconchegou-o na cama e saiu com as botas e o blazer na mão. Quando chegou á sala calçou a bostas e vestiu o casaco, antes de sair foi á cozinha, abriu todas as gavetas ate encontrar um papel e uma caneta, quando encontrou escreveu "Obrigado por tudo, já saí de tua casa, assim como querias. Se nao for pedir muito da um beijo por mim aos teus filhos. Ate já.", pendurou o papel no frigorífico e saiu finalmente daquela casa, entrou no carro e seguiu ate onde o coração a mandava ir.






   Eram quase oito da manha quando Zac acordou sobressaltado com os soluços aflitos de Alexander a abana-lo, abriu os olhos e a primeira coisa que viu foi Alexander aflito, a olhar de um lado para o outro, como se estivesse á procura de algo ou de alguém, com as lágrimas a caírem-lhes dos olhos azuis agora escuros.
Zac : então filho, que se passa? -perguntou pegando em Alexander ao colo-
Alexander : emboia(embora). Ela foi emboia(embora). -disse entre soluços aflitos-
Zac : ela quem campeão? -perguntou saindo do quarto com Alexander, não queria que Abby acorda-se daquela maneira, ja tinha tido uma noite bastante agitada-
Alexander : a vaessa(Vanessa). -disse ao agarrar o pescoço de Zac- ela foi emboia papa.
Zac : a Vanessa não mora aqui filho, ela teve de ir embora, para casa dela. -disse surpreendido com a reacção de Alexander, como era possível ficar-se tão "grudado" a uma pessoa que não se conhece nem á um dia-
Alexander : eu não quelo(quero)! -disse emborrado- quelo a vaessa aqui!
Zac : não pode ser filho, a Vanessa tem uma casa, não pode ficar aqui.
Alexander : pode pode! eu quelo papa! -disse a chorar- chama a vaessa. -disse triste- eu não quelo que ela vá emboia papa, eu goto dela. -disse abraçando Zac- ela é boita(bonita).
Zac : eu sei que ela é bonita filho mas isso não quer dizer que ela possa viver aqui, connosco. -disse passando a mão pelos cabelos loiros do filho-
Alexander : poquê? -perguntou enquanto uma lágrima descia dos seus olhinhos e morria nos seus lábios- eu goto muito dela, chama ela papa. -implorou-
Zac : eu chamo, mas isso não quer dizer que ela vai viver aqui connosco Alexander. -revoltado Zac pega em Alexander ao colo e volta a subir as escadas, entrou no seu quarto e pegou no telemóvel onde discou o numero de Vanessa, esperou ela atender ainda com Alexander ao colo-






   Quando chegou ao destino que o seu coração a guiou Vanessa logo viu quem mais queria ver, la estava ela, sentada no banco de baloiço da entrada da casa, sentada a fazer costura, sempre com umas postura invejável para uma senhora ja com os seus 70 anos. Deixou tudo no carro, saco, telemóvel e tudo mais que a pudesse meter em contacto com o mundo e saiu. Quando a velha senhora a viu abriu um sorriso lindo que fez Vanessa sorrir, estava feliz por voltar a revela.
XX : minha querida. -disse ao levantar-se para dar um abraço de urso em Vanessa- andaste desaparecida meu amor, ja não te via á anos. Estas uma bela mulher, quem olha para ti vê uma morena atraente e destemida. -disse fazendo Vanessa sentar-se ao seu lado no banco de baloiço-
Vanessa : estava cheia de saudades suas avó. -disse abraçando mais uma vez a senhora- desculpe não ter dado noticias mas eu não podia mesmo, coisas do trabalho. -a dona Joana não era realmente avó de Vanessa, era mais do que isso, era a mãe que Vanessa nunca teve, a única que a ia visitar ao orfanato, a única com quem Vanessa manteve contacto mesmo depois de se juntar aos Sparrow. A única que Vanessa amava realmente, pelo menos ate á algumas horas atrás-
Joana : o que te trás por cá? -perguntou com um sorriso meigo-
Vanessa : oras, eu vim vê-la! -disse a rir-
Joana : também, mas eu sei que há um motivo bem mais forte que saudades para vires cá, os teus olhos achocolatados não te deixam mentir minha querida. -D.Joana era muito sabia, sabia aquilo que as pessoas sentiam apenas ao olha-las, principalmente quando essa pessoa era Vanessa, a sua querida menina-
Vanessa : eu preciso de respostas. -disse ao deitar a cabeça nas pernas ja fracas da senhora- a minha cabeça esta uma confusão.
Joana : cabeça ou o coração? -perguntou ao fazer um cafune gostoso na cabeça de Vanessa-
Vanessa : as duas coisas. -disse sincera- é possível apaixonarmos-nos por uma pessoa que mal conhecemos?
Joana : o tão famoso amor é primeira vista. -disse ao olhar o mar, Joana morava numa casa com vista para a praia, Vanessa lembrava-se de, em alguns fim de semana, quando a deixavam ir passa-los com Joana andar a correr pela praia e mergulhar naquela agua azul do mar- nunca me aconteceu, mas eu gosto de pensar que existe. -disse a sorrir-
Vanessa : ja alguma vez se sentiu tão confusa ao ponto de pensar estar apaixonada por uma pessoa que a trata mal? -perguntou sem entender o que sentia- ele trata-me tão mal, faz-me sentir que não valho nada. -disse triste- ele é grosso, mal educado, rude e faz me ter vontade de lhe dar umas boas bofetadas de vez em quando.
Joana : talvez seja mesmo por isso que estejas apaixonada por ele meu amor.
Vanessa : como assim? -perguntou ao levantar-se para fitar a senhora-
Joana : o nosso coração, de vez em quando, pode pregar-nos rasteiras, mas nos temos sempre de nos levantar e mostrar que somos superiores, fortes. -disse a sorrir- mostrar que não vai ser uma batida de rabo no chão que nos vai fazer desistir.
Vanessa : quando sabemos que vamos voltar a bater com o rabo no chão nem vale a pena nos levantar-nos.
Joana : vale sempre a pena minha querida, mesmo que voltes a cair, pelo menos vais ter a certeza que tentaste.
Vanessa : e se me magoar, o que faço? -perguntou na duvida-
Joana : curas as feridas, com o tempo tudo cura.-disse fazendo Vanessa sorrir-
Vanessa : obrigado, é sempre tão bom falar consigo. -disse abraçando a senhora, Vanessa gostava muito da dona Joana mas era incapaz de lhe contar o seu passado. A dona Joana pensava que Vanessa trabalhava numa empresa e por isso viajava muito.- eu agora tenho de ir, o trabalho chama, eu prometo voltar em breve e com mais tempo para falarmos. -disse ao levantar-se-
Joana : faz isso, é sempre uma honra ter-te na minha humilde casa minha querida. -disse a sorrir-
Vanessa : ate mais. -antes de sair Vanessa deu um beijo na testa da senhora. Era sempre tao bom falar com a dona Joana, ela fazia sempre Vanessa ver as coisas com outros olhos, numa outra perspectiva, Vanessa agora sabia exactamente aquilo que tinha de fazer-
Quando chegou ao carro a primeira coisa que ouvir foi o toque do telemóvel, desbloqueou-o e viu que tinha cinco chamadas não atendidas, todas elas de Zac, o que será que tinha acontecido? Sera que ele tinha ficado chateado com o bilhete que ela deixou? Vanessa estava realmente preocupada, marcou o numero de Zac e clicou no verde, agora só esperava que ele atendesse.
Vanessa : Zac que se passa? -perguntou assim que Zac atendeu- ligas-te cinco vezes, passa-se alguma coisa? -perguntou preocupada-
Zac : passa-se, passa-se que eu acordei com o meu filho a chorar porque tu tinhas ido embora, quero-te aqui em casa em cinco minutos. -disse grosso, nem para pedir um favor ele deixava aquela arrogância de lado-
Vanessa : eu estou ja ai. -disse estranhando a sua atitude, podia ate estar a gostar de Zac mas não era por isso que iria começar a fazer tudo aquilo que ele manda-se  sem questionar- nem para pedir um favor deixas de ser arrogante seu estúpido! -sem dar chances de Zac responder Vanessa terminou a chamada e seguiu para casa de Zac-






   Quando Vanessa chegou a casa de Zac ja a porta estava aberta, entrou e não encontrou ninguém na sala ou não cozinha, por falar em cozinha ao la entrar reparou que ainda ninguém tinha lido o bilhete que ela havia deixado, pegou nele rasgou-o e guardou no bolso. Como não estava ninguém no 1º andar na casa subiu as escadas sem fazer barulho, antes mesmo de entrar no corredor que dava acesso aos quartos ja conseguia ouvir os soluços aflitos de Alexander enquanto Zac o tentava acalmar.
Zac : a Vanessa vem ja filho, pará de chorar, não gosto de te ver assim. -disse aflito- não há necessidade para estares a chorar dessa maneira, a Vanessa vem ja. -disse abraçando-o, Abby ainda dormia tranquila na sua cama-
Alexander : pometes(prometes)? -disse com vos de choro-
Zac : prometo. -disse a sorrir, foi então que Vanessa decidiu entrar no quarto, tinha ouvido a pequena conversa de Alexander com Zac e nao lhe restavam duvidas, Zac era um excelente pai-
Alexander : Vaessa! -disse a sorrir assim que viu Vanessa entrar no quarto, esticou os bracinhos na direcção da morena e soltou um suspiro de consolação quando Vanessa o pegou no colo, Alexander abraçou-a com toda a força que tinha, ja não chorava, apenas soluçava-
Vanessa : então meu amor, porque é que estas a chorar? -perguntou sentando-se na cama ainda com Alexander ao colo. Zac não pronunciava uma única palavra, apenas ouvia tudo, atentamente-
Alexander : poque(porque) tu foste emboia(embora). -disse triste- eu não quelo que vás emboia.
Vanessa : eu não posso ficar aqui para sempre olhos lindos, tenho de ir para minha casa. -disse a sorrir enquanto explicava tudo a Alexander, calmamente-
Alexander : mas eu quelo. -disse relutante-
Zac : nos ja falamos sobre isto Alexander, a Vanessa não vai ficar aqui connosco, ela tem a casa dela e o trabalho dela, não pode ficar aqui. -disse calmo-
Alexander : não não e não! -disse alto- podes não podes? -perguntou a Vanessa com os olhinhos a brilhar, Vanessa não sabia o que responder, olhou para Zac e este apenas girou a cabeça de um lado para o outro-
Vanessa : é melhor te ires vestir, senão vais chegar atrasado á escola. -disse tentando mudar de assunto, entregou Alexander a Zac e quando ia sair do quarto ouvir Zac chama-la- que foi?
Zac : espera la em baixo, precisamos conversar. -disse serio-
Vanessa : tudo bem.




Por hoje é tudo, espero que gostem, desculpem a demora mas a minha agenda anda cheia! Não tenho tempo nem para namorar. :) BEIJOS, espero que gostem e comentem. MUITO! Muitas surpresas no próximo capitulo :)

3 comentários:

Edyh_2012 disse...

Posta logo please
To super curiosa
Kiss baby

July Hudgens disse...

Mto bom Fofa!! Ai ai ai o q sera q o Zac quer falar com a Van!!!! Huuuuuum
Posta logo Flor
BjBj

• Paula disse...

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA
Amei amei amei o cap!
Perfeito!
O Zac podia tentar ser um pouquinho mais gentil né?
O Alexander é muito fofo!
Posta logo
Bjos amorê